Traduções a partir do inglês e de conversas com o autor: Régis Bonvicino

2

dobradiças da dor
velas esfumaçadas do esquecimento
os ombros da noite, migalha ferida

5

De novo às vezes
um passado enquanto
o vôo da andorinha,
andorinha, curto como
o esquecimento
o consolo roto das palavras
Eu convoco a noite para uma visita
ao meu íntimo
como a foto de alguém,
pálido, no verão, brilho

7

para trás e
para frente
não sai da cabeça agosto
palavras ainda se movem: alguma coisa
foi extraída da chuva
eu vejo que a relva é verde
outono de novo!
propício para dizer coisa nenhuma
e imprescindível! Liberdade,
que o vento devastou

48

Sobre a mesa da sala
das Ding an Sich,
papéis, livros
uma pedra vinda de Lisboa, branca,
que, agora, levo à janela,
observo os telhados no céu do anoitecer.
Eu também sei que
todas as pessoas gritam na mesma língua:
o Franz Ferdinand Kafkiano, precipício.

The book in Finnish original
In translation into English by C. B. Hall in cooperation with the author
In translation into Swedish by Martin Enckell